Página do Projecto RCAAP (Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal)

Nota à navegação com tecnologias de apoio: nesta página encontra 3 elementos principais: menu principal (tecla de atalho 1); menu de acções RCAAP (tecla de atalho 2) e conteúdo principal (tecla de atalho 3).

Notícias | RCAAP - Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal

Acesso Aberto às Publicações Científicas e Piloto de Dados Científicos do H2020: cursos eLearning do FOSTER. Inscreva-se!

Quinta, 16 Junho 2016 11:49

No âmbito do projeto FOSTER - Facilite Open Science Training for European Research vão realizar-se dois cursos eLearning, que visam, por um lado, informar os investigadores sobre o cumprimento do mandato de Acesso Aberto do H2020 depositando as suas publicações em Acesso Aberto e, por outro, alertar para as diretrizes do piloto de dados científicos no programa H2020.

Estes cursos são promovidos pelos Serviços de Documentação da Universidade do Minho, enquanto coordenadores do projeto FOSTER, e destinam-se a investigadores, coordenadores de projetos científicos, gestores de ciência, gestores de repositórios e bibliotecários. Curso: Piloto de Dados Científicos Abertos no H2020

  • De 27 de junho a 01 de julho de 2016 com lições diárias em eLearning
  • Webinar dia 01 de julho, 11h00 - 12h00 - orador: Pedro Príncipe
Curso: Acesso Aberto às Publicações Científicas do H2020
  • De 04 de julho a 08 de julho de 2016 com lições diárias em eLarning
  • Webinar dia 07 de julho, 10h00 - 11h00 - orador: Eloy Rodrigues

Inscrições: http://goo.gl/forms/7TsrIAHOlNB4EOTA3

Gravação e slides do Webinar do Projeto RCAAP: Teses e Dissertações

Quarta, 25 Maio 2016 13:33

No passado dia 19 de maio de 2016 o projeto RCAAP em parceria com a DGEEC e a DGES promoveu um webinar que teve como objetivo geral informar e esclarecer toda a comunidade académica sobre os processos de registo e depósito das teses e dissertações.

Os conteúdos deste webinar, destinado a todos os Utilizadores que tenham como responsabilidade dar cumprimento ao depósito legal de teses e dissertações, estão já disponíveis para consulta: gravaçãoapresentação DGESapresentação DGEEC e apresentação RCAAP.

Webinar projeto RCAAP: Teses e Dissertações

Quarta, 04 Maio 2016 11:13

Decorrente da publicação da portaria 285/2015 de 15 de setembro, que estabelece nas suas disposições transitórias as datas de 31 de julho e de 31 de dezembro como prazos limite para o depósito de todas as teses de doutoramento e dissertações de mestrado, o projeto RCAAP em parceria com a DGEEC e a DGES irá promover um webinar no próximo dia 19 de maio de 2016, às 10:30, no qual se pretende informar e esclarecer toda a comunidade académica sobre os processos de registo e depósito das teses e dissertações.

Programa:

  • Aspetos relacionados com a legislação – 15 minutos – Priscila Couto da DGES;
  • Utilização da plataforma RENATES para registo das T&D – 15 minutos – Carlos Malaca da DGEEC;
  • O processo de depósito de T&D no RCAAP – 15 minutos – José Carvalho da Universidade do Minho;
  • Perguntas e Respostas – 15 minutos.
Inscrições: 

Prorrogação do prazo de submissões de trabalhos para a CONFOA 2016

Quinta, 28 Abril 2016 12:39

A submissão de comunicações e pósteres foi prorrogada até dia 15 de maio de 2016.

Os trabalhos poderão ser submetidos nas seguintes modalidades:

  1. a) Comunicações – Deverá ser submetido um resumo informativo de 1 a 2 páginas (aproximadamente 500 a 1.000 palavras), contendo: objetivos, metodologia, resultados e conclusões. Para tal, utilize o formulário de submissão para inserir o resumo da comunicação.
  2. b) Pósteres – Deverá ser submetido um resumo informativo de 1 página (até 500 palavras) contendo: objetivos, metodologia, resultados e conclusões. Para tal, utilize o formulário de submissão para inserir o resumo do póster.

Para fins de publicação nos Cadernos BAD revista online e em acesso livre, os resumos submetidos e aprovados como Comunicação deverão ser posteriormente complementados com o texto completo. Serão aceites trabalhos em português, espanhol ou inglês, desde que abordem temáticas relevantes para o contexto luso-brasileiro.

Os temas a serem tratados no âmbito da Conferência são os seguintes:

  • Acesso Aberto e Ciência Aberta (práticas e implicações)
  • Repositórios de publicações científicas;
  • Revistas científicas de acesso aberto;
  • Gestão de dados científicos abertos e repositórios de dados científicos;
  • Políticas e mandatos de acesso aberto;
  • Publicação institucional (editoras universitárias e outras iniciativas)
  • Interoperabilidade entre os repositórios e outros sistemas de informação de apoio à atividade científica e académica;
  • Sistemas de gestão da Ciência e Tecnologia (CRIS);
  • Preservação digital;
  • Direitos de autor;
  • Acesso aberto, bibliometria e métricas alternativas.
  •  
    As inscrições são gratuitas e devem ser feitas através da página web: http://confoa.rcaap.pt/inscricoes/

    Caso tenha alguma dúvida ou questão, poderá contactar-nos através do email  Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar .

    Acompanhe-nos nas redes sociais: Facebook: https://goo.gl/wQZHIR  e Twitter: https://twitter.com/confoa

    Mais informações em: http://confoa.rcaap.pt/

    Princípios orientadores para a implementação de uma Política Nacional de Acesso Aberto

    Terça, 12 Abril 2016 09:17

    Dando continuidade às notícias divulgadas relativas aos princípios orientadores para a implementação de uma Política Nacional de Ciência Aberta, divulgamos, agora, a Resolução do Conselho de Ministros nº 21/2016, 1ª série - nº70 de 11 de abril de 2016, na qual é esplanado que o conhecimento é de todos e para todos.

    Tal como referiu a Secretária de Estado da Ciência e do Ensino Superior, Profª Fernanda Rolo, durante as Jornadas da FCCN 2016 na Universiade do Algarve, neste momento, no plano europeu, Portugal deverá ser um dos poucos países que já avançou no sentido de um compromisso político relativo ao Acesso Aberto.

    A imperiosa partilha do conhecimento em Acesso Aberto, sobretudo quando é financiado por recursos públicos, permite garantir a sua reutilização. Segundo a Resolução do conselho de Ministros, tornar a ciência mais aberta e acessível a todos representa um desafio coletivo, político, cultural, económico e social. Certamente tendo por base o artigo 27º da Declaração Universal dos Direitos do Homem proclamada pela Assembleia Geral da ONU em 10 de dezembro de 1948 em que: "Toda a pessoa tem o direito de tomar parte livremente na vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar no progresso científico e nos benefícios que deste resultam".

    Internacionalmente, instituições como a União Europeia, a OCDE e a UNESCO têm liderado a definição e promoção da Ciência Aberta.

    No plano nacional, a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) tem desempenhado um papel fulcral nesta matéria, introduzindo, recentemente, a obrigatoriedade de depósito de publicações resultantes de projetos financiados por fundos públicos no RCAAP. Porém, em termos legislativos, o maior impacto em matério do Acesso Aberto está relacionado com o Decreto-Lei nº115/2013 de 7 de agosto, reforçado pelo Regulamento Técnico de Depósito de dissertações e teses de doutoramento, através da Portaria nº 285/2015 de 15 de setembro.

    Assim, nos termos da alínea g) do artigo 199º da Constituição o Conselho de Ministros resolve:

    1. Aprovar, como princípios orientadores para a implementação de uma Política Nacional de Ciência Aberta, que o Estado e as outras pessoas colectivas públicas que integram a sua administração indireta assumam, no desenvolvimento das suas atribuições:

    • O Acesso Aberto às publicações resultantes de investigação financiada por fundos públicos;
    • O Acesso Aberto aos dados científicos resultantes de investigação financiada por fundos públicos;
    • A garantia da preservação das publicações e dados científicos por forma a permitir a sua reutilização e o acesso continuado.

    2. Estabelecer que seja prosseguido um esforço de divulgação e discussão pública sobre os objetivos e as prioridades a considerar na configuração de uma Política Nacional de Ciência Aberta, do qual deve resultar uma Carta de Compromisso para a Ciência Aberta em Portugal.

    3. Mandatar o MCTES para criar um Grupo de Trabalho Interministerial que tem como missão apresentar, até final de 2016, uma proposta de Plano Estratégico para a implementação de uma Política Nacional de Ciência Aberta.